Bolha de sabão

Este não sou eu, mas queria ser uma bolha de sabão.

Elas são livres e vão para onde o vento as tocam.

Não há continentes, montanhas, lagos, oceanos ou desertos que não possam ir.

Apenas ao sabor do vento se deliciam.

E quando se pensa que morrem, não morrem,

explodem-se ...

em um turbilhão de borboletas.

Um comentário:

Sempre por Aqui

Google+ Followers

Números

© 'A Palavra Certa' - Todos os Direitos Reservados